Posts arquivados em Mês: novembro 2017

30 nov, 2017

[RESENHA] Os Rothwells #1: As Regras da Sedução

Oiii seus lindos, hoje eu
trouxe para vocês um pouquinho sobre o primeiro da serie Os Rothwells, As
Regras da Sedução. É um romance histórico, e como sabemos eu sou a louca desse gênero
(Contei para vocês AQUI), então obvio que eu estava louca para ler está serie,
mas ainda não tinha tido a oportunidade, e agora eu consegui e li ela em dois
dias (só porque eu tinha que parar para estudar). Mas vamos ao que realmente
interessa não é mesmo?

Alexia Welbourne é uma jovem com
um preludio de tragédia escrito na testa, quando ela consegue se restabelecer
com os primos depois de um fim nada agradável para sua família, aparece Lorde
Hayden Rotwell, um homem sedutor, poderoso e cercado de interesses obscuros,
sua visita inesperada anuncia a ruina financeira da família e trás fim as
esperanças de Alexia de conseguir um bom casamento. Pensando nas dificuldades
que sua própria família terá, a moça decide que precisa se sustentar e recebe a
proposta de ser preceptora de Caroline Wallingford e dama de companhia de sua
mãe Lady Henrietta Wallingfor.

A proposta seria maravilhosa e
adequada para uma moça honrada, não fosse o fato que foi realizada pelo
sobrinho de Lady Henrietta, que no caso é Lorde Hayden. Sem ter muitas opções
Alexia se vê obrigada a aceitar a proposta, o problema é que vivendo na casa da
tia de Rothwell, Alexia acaba se aproximando daquele que destruiu sua família,
e em um momento de impulso ela acaba se entregando a ele, e ambos se veem
obrigados a casar.

Dentre todas as situações a
ultima que Alexia podia prever é a que realmente aconteceu. Casada com Lorde
Hayden ela descobre que os atos arrogantes de seu lindo e sexy marido são
movidos por uma divida de honra que pode levar ele a sacrificar grandes coisas.

Ainda que as mágoas sejam
grandes e os segredos dos dois estejam sempre presentes, a tentação é grande de
mais para manter Hayden e Alexia afastados, a convivência acaba por aproximá-los
ainda mais e juntos eles descobrem que a sedução entre eles não segue regras
pré-estabelecidas.

Eu não sei nem por onde começar
a falar desse livro. Gente que escrita leve, que história bem elaborada, obvio
que tem seus clichês ( afinal é um ROMANCE de ÉPOCA, não da pra fugir muito do
padrão), mas mesmo estes são tão bem trabalhados que não deixa aquela sensação
de “já vi isso em algum lugar”, os personagens são muito bem construídos e dão
aquela sensação de estar vivendo o momento com eles, não da pra explicar como
essa história entrou e dominou meu coração.

É uma série que vai falar sobre
uma família (sério Aninha? Seja menos óbvia) e é neste fato que entra o maior
clichê de TODOS, que acho que poucos livros neste estilo não têm, os Rotwells
são três irmãos: Christian (O irmão mais vleho excêntrico que herdou o titulo
da família e agora é Marques Easterbrook), Hayden (o sério que resolve os
problemas de todo mundo, que se diverte com algumas mulheres e foge do casamento)
e Eliiot (o retraído e inteligente, que aparentemente não se envolve com
ninguém).

São quatro livros contando a
história deles, somente o terceiro que não é diretamente relacionado aos
Rotwells, mas que conta a história de Roselyn Longworth que é prima da nossa
queria Alexia, o que meio que torna tudo da mesma família.

Voltando a história de Alexia e
Hayden, o que mais me deixou apaixonada é que em nenhum momento eles tentam
negar a paixão, ela demora a perceber que realmente está apaixonada, mas não
tenta negar e principalmente o que me encantou foi que: ainda que o desejo seja
instantâneo (o que é normal para mim) o amor entre eles só surge com o tempo e
a convivência, vai surgindo devagar à medida que eles vão se conhecendo
realmente e isto me deixou encantada porque é possível perceber o momento em
que os dois saem do desejo puro e entram no amor.

O livro é muito lindo e não
achei erros de revisão gravíssimos, só alguns poucos de digitação mesmo, mas
uma coisa que me incomodou muito foi que quando eu li a descrição da Alexia no
livro a primeira coisa que eu fiz foi voltar pra ver a capa e fiquei sem entender
porque a personagem é descrita de cabelos castanhos e olhos violetas e na capa
tem uma mulher loira de olhos azuis, isso me incomodou profundamente do inicio
ao fim da leitura, mas por uma obra divina (Comemorei com pulinhos sim) a
Arqueiro mudou a capa que era aquela ali em cima no inicio da resenha e colocou
esta fofinea aqui do lado, que combina mil vezes melhor com a descrição da
Alexia, então obrigado a editora por mudar a única coisa que realmente me
incomodou no livro.

De uma forma geral é uma
história maravilhosa e que vale super a pena ser conhecida, se não pela
história envolvente, pelo simples fato de que a escrita da autora faz com que
não queiramos largar o livro.

Título: As Regras da Sedução | Série: Os Rothwells  
Páginas: 264Autor(a): Madeline Hunter | Tradutor(a):  Teresa Carneiro | Editora: Arqueiro

28 nov, 2017

[RESENHA] A Casa Das Rosas

 
Um tempo atrás recebi da Oasys Cultural o livro A Casa das Rosas para resenha, até então tanto a obra quanto a autora eram desconhecidas para mim, mas ao ler a sinopse fiquei muito interessada na história escrita por Andréa Zamorano.

Maria Candida é uma mulher linda e apaixonada por Virgílio que parece ser o homem com quem sempre sonhou. Ou era isso que pensava, pois quando ela engravida do político (que também é rico!) todo aquele carinho e amor que ele parecia retribuir some e ele se transforma em uma pessoa bem diferente e passa a rejeita-la. Agora casados, Virgílio tranca a esposa em casa, de onde ela não tem certeza de se sairá com vida, então o seu único objetivo passa a ser proteger sua filha Eulália. Certo dia Maria Candida desaparece misteriosamente.

Quase dezoito anos se passaram, estamos no ano de 1984, época da redemocratização do Brasil, e é nesse contexto que somos apresentados a Eulália, uma jovem apaixonada por poesia e que poderia ter toda a liberdade de escolhas que a idade oferece, se não fosse por seu pai que tenta controlar tudo e todos ao seu redor tendo inclusive decidido quais faculdades ela poderia cursar. As opções dele são: medicina ou Direito, ela opta pelo segundo.

Eulália vive uma vida reclusa na imensa casa rodeada de flores, não sai sozinha nem para a faculdade uma vez que o motorista deve leva-la (ordens desse papai amoroso #sqn) e tudo que ela pode fazer é estudar, então de um jeito ou de outro a jovem está sempre com um livro em mãos. Sem qualquer referência do que seria um relacionamento saudável entre pai e filha, Eulália acaba por considerar Virgílio um herói.

Já sua mãe é um verdadeiro ponto de interrogação na sua vida, ela não sabe nada sobre a mulher que lhe deu a luz. Não por falta de interesse ou não tenha curiosidade, mas porque seu pai é absolutamente fechado sobre o assunto e nunca fala sobre a mãe de Eulália, mas tudo bem, ela até entende.

Tudo muda quando Eulália completa dezoito anos e recebe de seu pai um vestido de noiva, ele quer que a filha assuma o nome da mãe e se case com ele. Enjoada com a ideia absurda de Virgílio, Eulália decide fugir de casa e então ela começa a descobrir verdades que jamais poderia sonhar. Algo poderia ser mais chocante do que a proposta de casamento do pai? Ela vai descobrir que sim.

Desde o começo do livro eu não suportava Virgílio, realmente o detestei praticamente desde a primeira página, mas quando ele fez a proposta de casamento para a própria filha, sério, não estava preparada para isso. Reli a passagem umas três vezes para ter certeza de que estava entendendo certo. Então eu comecei a odiar de verdade o personagem. Que tipo de pai faz uma coisa doente dessas pelo amor de Deus?

Já Eulália foi uma personagem tão linda! A ingenuidade da garota é interessante no começo, mas a sua evolução durante o decorrer das páginas é o que com certeza me prendeu e instigou a continuar lendo. É impossível não sentir empatia por ela, mesmo discordando de algumas atitudes da personagem eu realmente entendia o porquê de ela estar fazendo determinada coisa. Então ela me conquistou e eu fiquei mesmo torcendo para que Eulália se saísse bem daquela situação terrível.

Como se a trama em si não fosse um motivo muito bom para ler A Casa das Rosas some isto ao fato de que o pano de fundo da trama é o período das Diretas Já!, e você entenderá porque este livro vai laçar o seu coração e te fazer ficar boquiaberto com todas as experiências que a narrativa vai te trazer.

Andréa Zamorano tem uma escrita bem interessante, toda essa história e reviravoltas aconteceram em menos de 200 páginas e apesar do livro ter um ritmo bem rápido não é corrido e eu consegui entender as motivações e ter consequência das atitudes. Outra coisa bem interessante é que quando Eulália conta a história o livro está em primeira pessoa, quando estamos sob outro ponto de vista o livro vai para terceira pessoa. Nunca tinha lido nada assim e gostei bastante, apesar de no início ter me sentido um pouco perdida por causa desta escolha.

Eu realmente recomendo a leitura, não só porque a história é absolutamente interessante, mas porque a narrativa de Zamorano é tão rica e sensível que chega a ser até lírica e com toda certeza vai te tocar muito, principalmente por causa dos dilemas apresentados de maneira tão interessante.

Título: A Casa das Rosas | Páginas: 176 | Autora: Andréa Zamorano |Editora: Tinta Negra | Ano: 2017

23 nov, 2017

[RESENHA] As Aventuras De Tom Sawyer

Oii seus lindos, hoje vim falar
um pouquinho para vocês sobre o livro As Aventuras de Tom Sawyer, um clássico de
Mark Twain que foi lançado por diversas editoras (afinal o livro é de 1876!),
mas com essa edição fofinha ele veio pela Editora Autêntica. Quando eu vi a
capa e a sinopse eu fique louca para ler, e agora vou contar um pouquinho do
que achei da obra.




Tom Sawyer é um garoto órfão que
vive com sua tia Polly, o irmão Sid e sua prima Mary, em um vilarejo as margens
do rio Mississipi, nos Estados Unidos. Tom é um garoto de bom coração, esperto e de bom caráter,
mas um tanto quanto levado e vive aprontando (para o desespero de tia Polly!)
com seu melhor amigo Huckleberry Finn (um garoto que vive nas ruas e se
alimenta do que lhe dão
) ou mesmo sozinho.

Juntos, Tom e Huck vivem as mais variadas e incríveis aventuras, que em sua maioria estão somente na
imaginação dos jovens. Eles frequentam diversos lugares: cavernas, cemitérios,
casas mal-assombradas e ilhas desertas. Brincam de pirata, pele-vermelha, Robin Hood, caçam tesouros, planejam formar uma gangue de ladrões e ficar
ricos. Mas em uma das brincadeiras, as aventuras acabam por se tornar reais de
mais e assustadoras.

Antes de começar a falar o que
eu achei do livro preciso dizer para vocês o seguinte: quem for ler faça isso com a mente aberta e considere sempre que o livro foi publicado pela primeira vez em 1876, ou
seja, uma realidade COMPLETAMENTE diferente da que vivemos hoje em dia. Aceite portanto ser transportado pela ela.

Agora posso dizer para vocês
que o livro é realmente muito bem escrito, a leitura é fluida e bem
tranquila de compreender (até porque é um livro infanto-juvenil!), mas de uma
forma geral a história não conseguiu me conquistar, é um livro okay, nada muito
surpreendente ou que me deixasse completamente viciada na história, o que foi
uma pena para mim porque realmente estava esperando um mundo de aventuras
que eu viveria junto com Tom e Huck.

Possivelmente não esteja
muito na pegada do livro mesmo, porque ele tem uma escrita fácil e personagens
bem construídos, mas depois de terminar a leitura fiquei só: okay, é uma boa história, mas nada que
me deixasse realmente apaixonada pelo enredo ou que tenha me tirado o fôlego.

Mas como disse bem no início
da resenha é preciso ter a mente aberta e entender a época, o que leva a um
ponto que gostei no livro: perceber realmente as desigualdades que existiam no passado, o tipo de pensamento e as atitudes costumeiras das pessoas, em alguns
momentos da até tristeza de imaginar as coisas que o autor deve ter vivenciado
para poder escrever a história daquela maneira, porque o livro é tão bem
escrito que nos possibilita visualizar determinadas situações que os
personagens vivenciam, principalmente no que diz respeito aos negros.

Preciso dizer para vocês que,
ainda que eu não tenha me apaixonado pela história, caí de amores pela edição
que foi muito bem trabalhada, com uma capa bem fofinha e uma diagramação incrível,
tem desenhos em varias páginas e o início de cada capítulo é realmente muito
bonito, as folhas são amareladas o que deixa a leitura bem confortável. Então
sobre a edição eu só tenho elogios, porque realmente ficou maravilhosa!
 













Título: As Aventuras de Tom Sawyer | Páginas: 238Autor(a): Mark Twain 
Tradutor(a):  Márcia Soares Guimarães | Editora: Autêntica
21 nov, 2017

[RESENHA] O Que Te Faz Mais Forte



Eu não sou a pessoa que mais lê livros de não-ficção no mundo, mas vez ou outra uma história chama a minha atenção e nestas situações acabo saindo da minha “zona de conforto literária” e apostando em obras que em geral não leria. Este é exatamente o caso de O Que Te Faz Mais Forte.

Jeff Bauman assistia sua namorada correr a maratona de Boston em 2013 quando bombas explodiram matando e ferindo várias pessoas que participavam e assistiam a prova. O atentado terrorista marcou a vida de Jeff de um jeito único: ele perdeu as duas pernas.

Mas isso não é o mais importante sobre a história deste homem, além de ter sido fundamental na captura dos terroristas, O Que Te Faz Mais Forte não é um livro sobre todas as coisas que Jeff perdeu naquele atentado, mas sobre tudo aquilo que conquistou depois daquele dia que mudou sua vida para sempre.

O livro me é muito intimista, não apenas um relato sobre tudo o que Jeff passou, mas suas experiências e dificuldades durante a sua adaptação, a esperança, apoio e amor que o ajudou durante o processo. O relato humanizado, sem tentar transforma-lo em um herói ou um super-homem que não teve problemas durante a fase de adaptação, é encantador e ao mesmo tempo chocante.

O que eu não esperava de jeito nenhum é que durante um livro que esperava ser quase uma biografia, Jeff trouxesse opiniões sobre terrorismo, guerra e todas as vidas que se perderam em consequência dessas duas coisas.

Sem dúvida nenhuma a lição que fica é que você não pode escolher o que vai acontecer com você, mas sem dúvida pode decidir como vai reagir a elas. O tempo todo Jeff deixou claro o quanto o apoio que teve foi necessário para conseguir se recuperar. Ele deixa claro que sem as pessoas que ama jamais conseguira se tornar o homem que é hoje.

Bom, para quem gosta de não-ficção esta é uma leitura obrigatória, e para todos aqueles que não curtem eu espero muito que vejam O Que Te Faz Mais Forte é uma leitura necessária em algum ponto da sua vida pois ajuda a mudar a perspectiva sobre tanta coisa que vai te tornar uma pessoa melhor. Certamente sou uma pessoa melhor depois desse livro.


Especialmente hoje eu não darei estrelas para o livro porque acho errado julgar e classificar a forma como ele decidiu contar sua própria história, mas deixo claro que adorei a leitura é que fiquei muito emocionada em diversas partes.





Título: O Que Te Faz Mais Forte |  Páginas: 288
Autor(a): Bret Witter, Jeff Bauman  | Editora: Vestígio
16 nov, 2017

[RESENHA] Irresistível #1.5: Cretina Irresistível


Oii seus lindos, hoje vim
contar para vocês um pouquinho sobre Cretina Irresistível, um sppin off de Cretino Irresistível (que
vocês podem conferir a resenha AQUI) e tem basicamente o intuito de mostrar
que o Bennett também acha a Chloe uma cretina, para quem ainda não leu Cretino Irresistível
já aviso: ESTÁ RESENHA CONTÉM SPOILERS.




Aqui a história se inicia
depois que Chloe e Bennett já estão juntos, mas com a carreira de Chloe
decolando e uma nova mudança na empresa Ryan, os dois quase não tem tempo para
ficarem juntos, e quando ficam o resultado é aquela explosão de paixão e
sensualidade que já conhecemos e já esperamos que aconteça entre os dois.

O maior ponto aqui é: Bennett
quer um tempo a sós com Chloe para poderem aproveitar desse amor que foi tão difícil
colocar nos eixos, então logo quando ela está no seu momento mais corrido, onde
a carreira começa a dar certo ele, que nunca aceita não como resposta e como
bom cretino que é, decide que os dois precisam fazer uma viagem e ficarem a
sós. Ela como um exemplo de cretina, não quer ceder e se nega a afastar um
pouco do trabalho.

E assim se desenrola essa
história que nos faz matar a saudades do casal mais cretino e mais apaixonante
que já conhecemos, e deixa o maior questionamento: será que eles vão conseguir
um tempo só para eles quando nenhum dos dois quer ceder?

Eu sou uma grande suspeita para
falar sobre essa série, e tudo isso porque eu realmente sou apaixonada por
estes livros (vocês podem conferir nas resenhas dos outros volumes AQUI) e
apesar de ser um livro hot cheiooo de clichês, é uma história que envolve, e
que mesmo que a gente espere  o que está por vir, nos vemos vidrados em
terminar a leitura e descobrir se realmente o desenrolar vai ser aquele.

Cretina Irresistível é um livro
bem curtinho, um dos menores da série (até porque é só pra matar a saudades
mesmo, não é uma nova história que se desenrola) então é bem rapidinho de ler.
Pra que curtiu a série e sente saudades do primeiro casal este volume é
realmente muito bom,  não é aquela leitura
obrigatória e nem é igual aos outros que nos fazem querer
descobrir como os personagens vão se resolver, mas é uma leitura leve e bacana
que serve pra deixar a gente mais próximo daqueles personagens que já tiveram suas
histórias contadas.

A edição tá muito linda, com
uma capa legal e que não é escandalosa (não gosto de livros com capas muito
apelativas, como já contei para vocês AQUI), com folhas amareladas e uma
diagramação muito fofa e com os capítulos que se intercalam entre os
personagens principais (que é uma característica dessa serie).

Enfim é um livro que eu
recomendo pra quem gosta da série e para quem está a procura de uma leitura rápida
e fluida.
Título: Cretina Irresistível | Série: Irresistível | Páginas: 119Autor(a): Christina Lauren  Tradutor(a):  Felipe CF Vieira | Editora: Universo dos Livros
14 nov, 2017

[RESENHA] Graça Infinita

Graça Infinita foi um dos livros que li e que posso falar sem qualquer dúvida: me marcou de uma forma completamente inédita. A densidade da história criada por David Foster Wallace é de uma singularidade impossível de não impressionar até o leitor mais exigente.

Neste livro somos levados para um futuro distópico onde Estados Unidos, México e Canadá já não existem mais, esses países foram substituídos pela maior potência já vista na história humana e que agora é conhecida como Organização das Nações Norte Americanas ou  simplesmente ONAN.

Outra grande característica desta realidade distópica é que o continente americano agora é apenas um depósito de lixo tóxico, resquícios deixados pelas pessoas que viveram ali antes e abusaram da natureza sem se preocuparem com o futuro, tornando a vida daqueles que estão lá agora bastante perigosa já que precisam conviver com isso. Há também o problema com os separatistas que usam o terrorismo como forma de tentar conseguir aquilo que querem. Sem mencionar o fato de que a forma de contar os anos agora está nas mãos de corporações multimilionárias, então os anos não são mais contados em números, mas por seus produtos.

Tendo isso como base somos apresentados aos dois núcleos principais da história. O primeiro é a família Incandenza que é composta por Hal, um estudante e atleta brilhante, mas que acaba aos poucos se tornando alguém viciado em drogas o que, por consequência, acaba deixando-o alienado como a maioria da população. Orin, irmão mais velho de Hal, é um grande ídolo do futebol americano e um completo sedutor e também tem problemas com drogas, já Mario que é o irmão do meio é o mais complicado por suas deformidades físicas e deficiências mentais, mas é o mais otimista dentre eles.

Avril é a pessoa que comanda a casa e sua personalidade é bem peculiar, se por um lado é descrita como alguém dominadora, por outro vemos que ela é bastante promíscua em sua vida pessoal. Quando o marido e pai de seus filhos, James, morre ela é obrigada a assumir a academia de tênis, uma referência para todos que querem praticar o esporte. Bom, por falar nele, James era um cineasta experimental que fazia filmes históricos que nem sempre eram apreciados  você precisa prestar atenção nessa questão que será mostrada em uma das notas de rodapé, ela é importantíssima pro desenvolvimento do enredo. Aliás, preste atenção em todas as notas!

Uma família completamente desfuncional, cheia dos mais variados problemas, mas também permeada pelo afeto sincero trazem para o leitor um ponto de vista um tanto quanto contraditório, às vezes deprimente, mas outras completamente hilária. A complexidade das relações entre eles são dignas de virarem tese de algum estudante de psicologia, e isso não é nem um pouco exagerado.

Acima falei que haviam dois núcleos principais, certo? O Segundo gira em torno de Don Gately, um ex-criminoso e membro dos Alcoólicos Anônimos que também ajuda em uma instituição para acolher viciados. Ele é apaixonado por Joelle van Dyne, ex-namorada de Orin e protagonista de alguns filmes do Incandenza sênior. Uma ligação que não pode passar desapercebida.

Joelle protagonizou o inacabado filme Graça Infinita, de James. A obra cinematográfica acaba se tornando algo totalmente novo: ele entretém tanto que acaba matando as pessoas porque os espectadores simplesmente não conseguem parar de assisti-lo. Fato interessante é que o original está perdido pelo mundo, essa é uma questão muito importante. Esse poder letal que o filme tem interessa muito aos Separatistas, que não exitariam em usá-lo contra os americanos, nem por um segundo.

A primeira coisa que eu tenho que dizer é que Graça Infinita é um livro tão genial e absolutamente crítico, que pode fazer o leitor rir de problemas extremamente sérios. David Foster Wallace criou uma obra prima, cheia de discussões pertinentes e que são tão atuais que tornam o livro ainda mais interessante. Quando decidi encarar as mais de 1.100 páginas escritas por ele, fiquei um pouco receosa de que me entediasse, mas assim como o filme de James Incandenza, o livro de Wallace é completamente viciante, com o ponto positivo que não chega a matar ninguém.

Você pode até tentar não se prender a narrativa, mas é impossível que não fique tão viciado quanto Orin, pois o autor traz tantos questionamentos (alguns respondidos outros não) que você precisa ler e conhecer seu ponto de vista, ainda que venha discordar dele. Por outro lado este livro pode trazer dificuldades para aqueles que, como eu, gostam de linearidade na história. Sim, ele não segue uma linha de tempo, às vezes estamos à frente do tempo presente da história, outras vezes estamos no passado e, logo depois, de volta ao presente. Isso pode ser bem confuso se você não prestar atenção, mas sinceramente acredito que se o livro tivesse sido escrito de forma diferente não seria tão fabuloso.

Algo que também chamou muito a minha atenção foi a complexidade de cada uma das personagens, não da para comentar isso aqui de forma minuciosa porque eu teria que escrever mais de 300 páginas nesta resenha, então tudo que falei sobre eles foi absolutamente superficial. Dentro da família Incandenza, por exemplo, temos vários complexos freudianos e insinuação de incesto, temas nada leves. Joelle usa um véu cobrindo seu rosto e ora é descrita como extremamente bela, ora como deformada em função de um acidente. Sem mencionar Gately, cujas atitudes altruístas contrastam com seu passado criminoso e os Separatistas e suas motivações para querer extirpar os americanos da face da Terra.

Não posso deixar de comentar que fiquei apaixonada logo de cara pela capa nacional da obra e quando ele chegou vi que a lombada era laranja e com o nome do autor e do livro nela. Simplesmente perfeito! A única coisa que realmente não me agradou na edição brasileira da Companhia das Letras foi a ausência das orelhas, isso torna o livro muito mais frágil, tive muito mais cuidado para que as pontas da capa não ficassem danificadas.

De todas as resenhas que já escrevi para o Paraíso Literário esta foi, sem sombra de dúvida, a mais difícil. Precisei escolher falar superficialmente de um livro denso e profundo, que indubitavelmente me marcou de uma forma única, então aqui vai uma dica: não se deixe assustar pelo número de páginas de Graça Infinita! Eu, por exemplo, fui lendo aos poucos e sem pressão enquanto mesclava com leituras mais leves, isso me fez termina-lo mais rápido do que esperava.


Título: Graça Infinita  | Páginas: 1.144 | Autor: David Foster Wallace
Tradutor: Caetano W. Galindo | Editora: Companhia das Letras
09 nov, 2017

[RESENHA] Sydney Dovedale #2: Madrugadas de Desejo



Oii seus lindos, hoje vou falar
para você um pouquinho sobre Madrugadas de Desejo, segundo volume da série Sydney
Dovedale, que foi lançado aqui no Brasil pela editora Única. Vocês podem estar
se perguntando “Aninha, você vai resenhar o segundo, mas não tem resenha do
primeiro no blog, como vai ser isso?” gente eu sei que eu sou bem conhecida por
ler o segundo volume de series antes de ler o primeiro (falei sobre isso nesta
resenha AQUI), mas desta vez a culpa não foi minha rs, a editora lançou o
segundo volume antes de tudo, então não sei qual a história do primeiro, mas
admito que não houve perda nenhuma na história, foi super compreensível e
apaixonante o segundo livro. Então vamos ao que interessa não é mesmo?

Madrugadas de Desejo tem sua
história ambientada na elegante, charmosa e inspiradora de aventuras Inglaterra
do século XIX, onde é praticamente impossível não se deixar levar pelos jogos
que os lords e ladies libertinos experimentam.


É neste contesto que conhecemos
Ellie Vyne e James Hartley: que desde a infância são declaradamente inimigos.

Ellie sempre foi uma mulher de
ideias a frente de seu tempo, temperamento forte, ousada e, principalmente,
avessa a todas as tentativas de suas irmãs para lhe arrumarem um marido.
Afinal, com 27 anos era um absurdo ainda perambular sozinha por aí.

James, um dos solteiros mais
cobiçados da cidade, fazia questão de deixar clara sua desaprovação quanto ao
comportamento de Ellie. Durante suas misteriosas escapadas, Ellie rouba algo
muito precioso de James, que não terá paz até descobrir a identidade do ladrão.
Querendo ou não, eles estão cada vez mais próximos.

A primeira coisa que vocês
precisam saber é que: James é o clássico vigarista, que vive por ai destruindo
corações e arrancando suspiros, curtindo a vida como se não houvessem outras
preocupações, e agora com 37 anos ele precisa dar um rumo em sua vida e deixar
de ser o cretino que sempre foi; a segunda coisa que precisam saber é que:
Eliie para além de uma mulher forte e a frente de seu tempo, que tem avessão a
casamento, ela é também uma vigarista, e é isto que me encanta nela.

De uma forma geral o livro tem
aqueles clássicos clichês que romances históricos sempre tem, mas a história é
encantadora pelos pontos que a tornam especial, aqueles bem específicos dela
que são mostrados de uma forma tão leve.

É tudo muito bem construído em
torno da história de Ellie e James, o universo em que eles vivem e a maneira
como as coisas ocorrem, foi por isto que eu não senti falta do primeiro volume,
e entendi que ainda que não tenha o primeiro livro, como cada um conta a
história de uma personagem diferente, não há uma perda muito grande.

Só para situar vocês o primeiro
livro conta a história de Sophi Valentine, que nos é “apresentada” em
Madrugadas de Desejo como a melhor amiga de Ellie e que é mais velha 5 anos do
que a protagonista, o ponto que me intrigou aqui é porque para além da vida de
Ellie, Sophi fez parte do passado de James também, o que me deixou bem curiosa
para conhecer a história dela e saber como as coisas aconteceram anteriormente
para chegar no ponto em que chegaram.

A Sophi para mim neste segundo
livro (que é só do qual eu posso falar) foi meio egoísta (pra não dizer vaca),
e achou que poderia controlar coisas que simplesmente não diziam respeito a ela
e isto me incomodou um pouco, mas de uma forma geral ela é só mais uma
personagem secundaria.

O terceiro livro da serie vai
contar a história de Lady Mercy Danforthe, que também nos é apresentada aqui,
mas nesta história ela é só uma garotinha mimada, que faz o que quer porque o
irmão é o tutor dela e simplesmente não importa com o que acontece com a
garotinha de 12 anos. Mas apesar de mimada ela é uma garota forte e me deixou
bem curiosa para descobrir como o amadurecimento e a história dela vão
acontecer.

O quarto e ultimo volume da
série é provavelmente um dos que eu estou mais curiosa, porque vai contar a
história de Molly Robbins, aqui nos apresentada como uma menininha de 12 anos
que trabalha e luta para ajudar a família imensa, e o ponto em que a história
de Molly e Mercy se encontram é muito interessante, porque nos mostra o
surgimento de uma grande amizade que eu espero que só aumente no decorrer dos
livros.

Eu senti a necessidade de falar
para vocês um pouco sobre cada volume da serie, para que vocês vejam que ainda
que a história dos personagens principais se liguem em todos os volumes, não a
perda em ler fora de ordem (como aconteceu comigo) e com toda certeza essa
história me ganhou completamente e estou ansiosa para ter os outros livros e
poder devorar as histórias (acabei o livro em 2 dias).

Eu adorei a edição da Única, e
bem simples, com folhas amareladas e a capa é maravilhosa, preciso ressaltar
que a capa brasileira é mais bonita do que a original rs. Eu encontrei alguns
erros de revisão na edição, daqueles de digitação que às vezes deixamos
passara, mas nada que tenha incomodado muito porque não foram muitos.
E por ultimo eu preciso mesmo
dar destaque a escrita da Jayne Fresina, porque eu nunca tinha lido nada da
autora e achei a escrita super leve, a história com todos os seus pontos bem
encaixados e as duvidas que eu fiquei no final do livro eu sei que são
respondidas no próximo livro (no de Lady Mercy) então fica ai um dica que eu
passo pra frente porque amei <3 

Título: Madrugadas de Desejo | Série: Sydney Dovedale | Páginas: 286Autor(a): Jayne Fresina
Tradutor(a):  Alice Klesck | Editora: Única
07 nov, 2017

[RESENHA] Unearthly #2: Solo Consagrado





Algum tempo atrás eu falei sobre o primeiro livro dessa série (resenha aqui) e como havia me encantado com a história de Clara e sua família. Eu devorei Solo Consagrado logo depois de ter lido Sobrenatural e só levei algumas horas para terminar o livro, mas só vim postar a resenha agora (absurdo, eu sei!).

Para aqueles que não leram o livro anterior um aviso: esta resenha pode conter spoilers dele, então se quiserem passem direto para a minha opinião para que acidentalmente não descubram nada que não gostariam de saber.

Este livro começa com  Clara extremamente confusa, todos aqueles que possuem sangue de anjo no mundo têm uma missão e eles devem cumpri-la a todo custo, mas ao salvar seu namorado ela acaba se afastando do seu propósito e, inclusive, atrapalhando o do irmão mais novo.

Mas não é só isso, quando ela acredita já ter estragado tudo eis que descobre que na verdade ela não tinha que salvar Christian, ele também tem sangue de anjo e juntos eles acabam desenvolvendo a teoria de que, na verdade, devem trabalhar juntos e assim cumprir a missão divina que lhes foi dada. Mas que missão é essa? Nenhum deles sabe.

Só que Clara está com Tucker agora, mas os sentimentos por Christian que ela acreditava já ter superado começam a voltar a tona. Isso vai se somando a várias novas descobertas sobre sua raça, sua família e outras coisas que fazem com que ela fique cada vez mais confusa. 


Novas descobertas envolvendo seu pai a colocam em um perigo sem precedentes e do qual a adolescente não pode se esconder. Novos inimigos estão surgindo, o coração de Clara encontra-se mais dividido que nunca e sua vida está prestes a virar de cabeça para baixo. Como ela pode enfrentar tudo isso sem se desviar de seu propósito?

Eu já deveria ter postado essa resenha meses atrás, ela estava aqui, parcialmente escrita desde que postei a de Sobrenatural, mas só agora decidi sentar na frente desse computador e escrevê-la de um jeito ou de outro. Bem, vocês podem perceber que funcionou.

Solo Consagrado é ainda melhor que o primeiro livro, os dramas tomam proporções muito maiores e a autora fez questão de não focar apenas no triângulo amoroso. Claro que há cenas onde o romance entre Tucker e Clara é focado e onde notamos os sentimentos de Christian pela garota, mas há também toda a preocupação dela com a mãe, o choque ao descobrir quem seu pai realmente é, o medo ao perceber que por causa de quem ela é novos e perigosos inimigos estejam atrás dela, alegria ao se encontrar com outros de sua raça. E com a narração em primeira pessoa o leitor vivencia essas emoções junto com a protagonista.

No primeiro livro eu torcia para Clara ficar com o Tucker, mas no segundo volume da série definitivamente estive no time do Christian, fico imaginando para quem vou torcer no próximo.

Li uma resenha uns tempos pra a trás no Skoob e lembro que a menina colocou que “Sobrenatural 2 é triste de doer”. Gente se preparem para muitas, mas muitas lágrimas  mesmo, porque isso vai acontecer. Em certo momento da minha leitura tive que parar porque estava soluçando de tanto chorar e isso não estava me deixando ler.

Eu acho linda a diagramação e a capa dessa série como um todo. Toda primeira folha do capítulo tem detalhes que eu poderia ficar observando por bastante tempo. As nossas capas são baseadas nas originais e eu amei isso.



Bom, esse é um dos melhores YA’s de anjos que tenho na minha estante e eu indico, principalmente para aqueles leitores de sobrenatural que querem alguma coisa mais dramática. A iD, editora da série no Brasil, acabou faz alguns anos e por isso não se tem notícias se Unearthly continuará sendo publicada, mas provavelmente você consegue encontrar ebooks com a versão traduzida por fãs dos livros.



Título: Solo Consagrado | Série: Unearthly | Páginas: 408 Autor(a): Cynthia Hand 

Tradutor(a):  Paulo Afonso | Editora: iD
02 nov, 2017

[RESENHA] As Crônicas de Nárnia #2: O Leão, A Feiticeira e o Guarda-roupa



Oiiii seus lindos, hoje nos vamos falar sobre O Leão, a Feiticeira e o Guarda- Roupa, segundo livro de As Cronicas de Nárnia (o primeiro livro vocês podem conferir AQUI) e o livro que deu inicio a serie nas telas de cinema (algumas coisas são diferentes obviamente, mas não tantas quanto se poderia imaginar) e uma das histórias que encantam o mundo todo (e eu principalmente sou suspeita para falar porque se tem uma serie que eu amo é esta <3), mas já aviso que podem conter alguns spoilers do primeiro livro, agora vamos ao que interessa não é mesmo?

Aqui conheceremos os irmãos mais lindos do mundo ( depois dos Weasley’s, pelo ou menos para mim), que saem de um cenário de guerra e vão para uma casa no interior, onde os horrores da guerra não irão os atingir, mas é nesta casa que a vida de Pedro, Suzana, Edmundo e Lúcia muda, e eles descobrem que além de viverem neste mundo, eles são parte em uma profecia em um mundo completamente diferente do deles.

Quando eles chegam em Nárnia  Edmundo experimenta uma misteriosa sensação de horror. Pedro sentiu-se valente e vigoroso. Para Suzana, foi como se uma música deliciosa tivesse enchido o ar. E Lúcia teve aquele mesmo sentimento que nos desperta a chegada do verão. Assim, no coração da terra encantada de Nárnia, as crianças lançaram-se na mais excitante e mágica aventura que alguém já escreveu.

Gente pensem em um livro maravilhoso, que da gosto de ler e uma sensação de calor no coração, que nos permite viver momentos de pura felicidade, este livro é deste jeito. E antes de falar mais qualquer coisa vocês precisam saber que o filme é muito igual ao livro, serio gente da muita alegria de ler o livro, porque eu vi as cenas exatas do filme e pra quem é fã sabe que a melhor coisa da vida é quando o filme faz jus ao livro.

Os personagens são todos muito bem trabalhados e a gente consegue entender muito bem aquilo que foi proposto pelo autor, fora o mundo incrível e apaixonante que é Nárnia, eu já amava o filme e hoje sou extremamente apaixonada pela história e por cada personagem.

Mas já aviso é um livro completamente viciante e dificil de para de ler, então é melhor ler com tempo para poder só apreciar a história, porque o que mais incomodou de tudo foi ter que para de ler para fazer algo rs.

Espero poder trazer para vocês logo um pouquinho sobre O Cavalo e seu Menino, terceiro livro das cronicas e que também não foi para as telonas.


Título: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa | Série: As Crônicas de Nárnia | Páginas: 180Autor(a): C.S. Lewis  | Editora: WMF Martins Fontes