Posts arquivados em Tag: Mary Balogh

28 jun, 2018

[RESENHA] Os Bedwyns #6: Ligeiramente Perigosos

Oiii seus lindos, seguindo nossa programação de especial Romances de
Época (vocês podem conferir os outros post AQUI) a resenha de hoje é do ultimo
livro da série mais linda do meu coração: Os Bedwyns. Então a minha resenha
para fechar este mês que foi repleto de dicas maravilhosas sobre este gênero,
vou contar para vocês o que eu achei de Ligeiramente Perigosos, então borá lá!
 

Wulfricj Bedwyn é o frio e
recluso duque de Bewcastle, e agora ele precisa encontrar uma nova amante, já
que aquela que ele mantinha por anos acaba de falecer. Em Londres as conversas
nos salões de baile são sobre como nem a mais linda das mulheres seria capaz de
chamar sua atenção. Até que em um evento improvável da temporada, a única dama
que não requeria seus olhares ou o mínimo de sua atenção, acaba por captura-la.
Christine é uma viúva, impulsiva, altiva e independente, de diversas
forma inadequada até mesmo para circular entre os salões da nobreza, que dirá
para se tornar a companheira de um duque, ainda assim ela é linda e extremamente
atraente. Apesar de tudo isto, a mulher dispensa todos os pretendentes e seus
galanteios, pois o trauma causado pela morte do marido ainda causa sofrimento.
Mas o líder do clã Bedwyn não se sente intimidado pelas recusas de
Christine, e jura seduzi-la, assim algo estranho e maravilho fica prestes a
acontecer, e assim Wulfric passa de frio e inalcançável para alguém
completamente irresistível, e o duque de Bewcastle, descobre depois de 35 anos
que é capaz de deixar seu coração ditar as regras de sua vida.
Bom eu falei para vocês (nesta resenha AQUI) que demorei muito para ler
Ligeiramente Maliciosos, porque era o livro do Rannulf, e quando eu acabei
Ligeiramente Casados eu queria desesperadamente ler o livro do Wulfric! Ai
minha doce ilusão foi destruída quando eu descobri que o livro do Duque de
Bewcastle era o que fecharia a série. Mas acredito que foi a  melhor coisa
que a Mary Balogh fez! Porque nos outros livros nos vimos como os irmãos
enxergavam o Wulfric, como a sociedade o via, para então podermos conhecer como
ele realmente é!
Para além do Duque de Bewcastle existe um homem, que se moldou a
necessidade de suas funções aos 17 anos, mas ainda que parte dele realmente
seja este sujeito rígido e frio, ele também é só o Wulfric: um homem que
descobre seus anseios e percebe que a vida dele é muito mais do que só zelar
pelo bem estar de seus irmãos, pelos deveres da Câmara dos Lordes e das
necessidades de suas propriedades, e é estas descobertas, de coisas que ele
realmente quer para sua vida que nos acompanhamos ao londo do livro.
Christine é uma mulher incrível, doce e espontânea, que vive sem se
importar com os padrões sociais. O que importa para ela, uma mulher viúva de 29
anos é viver suas vida de forma plena e feliz, fazendo aquilo que ela deseja
para que se sinta bem. Em resumo ela é o extremo oposto do Wulfric, mas ao
mesmo tempo ela tem uma energia tão boa, uma aura tão sensacional que ele não
consegue simplesmente deixar de ir em direção a ela. Mas Christine em diversos
momentos foi prejudicada por sua própria ingenuidade, sabe aquele tipo de
pessoa que é boa ao ponto de ser boba? Que é incapaz de ver coisas negativas
nas pessoas, e isto acabou prejudicando-a de uma forma quase irreversível.
Parte do segredo de Christine se dá porque ela é muito inocente, se não
fosse isto o fato que ocorreu no passado da moça talvez tivesse sido evitado,
mas ai as coisas transcorrem de uma forma muito incrível na trama. A maneira
como o segredo dela é descoberto, como as coisas transcorrem e como tudo se
resolve é simplesmente encantadora! Me fez devorar o livro super rápido, e me
deixou extremamente feliz com o desfecho da história toda.
Aqui teremos a presença de todos os Bedwyns, o que me deixou
extremamente feliz, porque vemos como eles estão (e eu achei isto simplesmente
sensacional!) como as histórias deles continuaram e como eles agem em conjunto
para ajudar o Wulfric em algo que ele não quer admitir para ninguém. E ai temos
uma família que ainda que tenham constituído cada um sua propicia família com
cônjuges e filhos, continuam sendo os irmão barulhentos e apaixonantes que eram
nos primeiros livros.
A edição da Arqueiro está linda de mais, com o mesmo padrão de
diagramação simples e folhas amareladas, sem nenhum erro de revisão que eu
tenha percebido, mas a capa para mim foi uma grande falha! Como aconteceu em
As Regras da Sedução (falei sobre isto AQUI) também da arqueiro, a capa não remete
a personagem principal, aqui porque a Christine tem olhos azuis e a modelo da
capa como vocês podem ver tem belos olhos castanhos! E isto sempre me incomoda
muito, porque eu tendo a ficar olhando para a capa para enxergar elementos da
história, principalmente quando o personagem diz que se perde na imensidão azul dos olhos de Christine, ou algo do tipo, eu ficava voltando na capa para procurar os olhos azuis. 
Tirando esta falha, é um livro que vale muito a pena ser lido, de um
série apaixonante e que vale muito a pena ser conhecida, só não é o meu livro
preferido porque desta série Ligeiramente Seduzidos tem meu amor máximo,
seguido por Ligeiramente Escandalosos, mas todos os livros são encantadores a
sua maneira. 













Título: Ligeiramente PerigososSérie: Os Bedwyns Páginas: 302 | Autor(a): Mary Balogh 
Tradutor(a):  Ana Rodrigues | Editora: Arqueiro | Ano: 2017

OS BEDWYNS
Ligeiramente Casados | Ligeiramente Maliciosos| Ligeiramente Escandalosos | Ligeiramente Seduzidos | Ligeiramente Pecaminosos| Ligeiramente Perigosos 


14 jun, 2018

[RESENHA] Os Bedwyns #5: Ligeiramente Pecaminosos

Oiii seus lindos! Seguindo nosso cronograma do especial dos mês dos namorados (você pode conferir tudo que saiu até agora AQUI) hoje eu trago a resenha do quinto volume da série Os Bedwyns (os primeiros
vocês podem conferir
AQUI), e aqui nossa história começa de um ponto no meio da
história de Ligeiramente Seduzidos, o que significa que as histórias dos irmãos
Alleyne e Morgan ocorrem ao mesmo tempo, e é aqui que o final de livro anterior (vocês podem conferir a resenha
AQUI) faz todo o sentido! Fique atento(a) porque esta resenha pode ter alguns spoilers do livro anterior.


Durante a Batalha de Waterloo que já nos foi apresentada em Ligeiramente Seduzidos, nos encontramos uma Morgan extremamente abalada com o
desaparecimento do irmão, Alleyne Bedwyn, e depois seu sofrimento quando ele é
dado como morto, mas em um outro lado da cidade, ele acorda em um quarto de
bordel sem ter a menor lembrança de como foi parar lá, e pior sem ter a mais
vaga ideia de quem ele seja!! A única coisa que ele sabe é que existe um anjo
cuidando dele, e que ele precisa conquistar o coração dela.


O anjo é Rachel York, mas ela não é o que parece! Rachel
passou por situações inimagináveis e isto acabou levando-a para o
bordel. Agora a linda e inteligente jovem precisa encontrar o falso clérigo e
recuperar seu dinheiro e de suas amigas prostitutas, e nada melhor
do que um jovem soldado de quem ela vem cuidando para ajuda-la na empreitada:
ele é um ótimo candidato para se passar por seu marido para que ela possa
reaver tudo o que perdeu.

Mas ainda que esteja sem memória, Alleyne continua sendo o
mais charmoso dos Bedwyns, o que significa que sua sedução permanece em plenas
condições! E a cada beijo que compõe seu escândalo pecaminoso, os dois se afastam
mais da farsa e ficam a beira de se entregarem a irresistível paixão, mas o que acontecerá se o jovem se lembrar de quem é da vida que leva antes de Rachel?

Quando eu terminei a resenha de Ligeiramente Seduzidos eu
queria desesperadamente ler Ligeiramente Pecaminosos, porque ainda que eu
imaginasse que o Alleyne estivesse vivo, eu chorei de mais sua morte junto com
a Morgan e precisava desesperadamente saber o que tinha acontecido com o irmão
mais preciso, com aquele que desprendia total atenção e cuidados para com as
irmãs.

Então em Ligeiramente Pecaminosos somos apresentados a
todos os passos de Alleyne e seu trajeto em busca da memória perdida e de quem
ele é. Apesar da previsibilidade, gostei muito da história e da maneira como a Mary Balogh a conduziu,
mas para ser bem sincera eu não consegui me apaixonar perdidamente por tudo
como aconteceu no volume anterior (falei sobre esta paixão AQUI e AQUI), e
de uma certa forma acabou por tornar a história de um dos meus irmãos preferidos
a mais fraca, simplesmente porque consegui me apaixonar bem mais por todos
os outros livros.

A construção dos personagens é maravilhosa! A Rachel é a
clássica mocinha: linda de mais para seu próprio mal, educada ao extremo,
terrivelmente encantadora, mas o ponto mais forte dela é a lealdade e a forma
como ela se desprende de tudo totalmente para auxiliar suas amigas, e este foi
o ponto que me deixou mais encantada com a história: As amigas!!

O que esperar de um grupo de prostitutas? Um mundo de
libertinagem seria o mais óbvio, mas não!! Elas são incríveis e cada uma com o
seu talento acabam por formar uma família sensacional a qual da todo o apoio que
Rachel precisa e que mesmo estando com seus problemas pedindo por atenção se
preocupam em ajudar Alleyne a descobrir quem ele é, a cuidar para que ele se
cure dos ferimentos e fazem o melhor para tornar a estadia dele na companhia
delas algo inesquecível. Assim temos personagens secundários apaixonantes e que
fazem toda a diferença para a fluidez da trama!

O trabalho realizado pela Arqueiro é outra maravilha a parte
e a capa deste livro para mim é uma das mais bonitas (perde apenas para a de
Ligeiramente Seduzidos, na minha humilde opinião!
), ela é extremamente adequada
com o contexto da obra e o que mais me encanta é que eu olho para a capa e
consigo ver a Rachel, então é uma capa perfeita! As páginas do livro são
amareladas com uma fonte de tamanho adequado que ajuda muito a tornar a leitura
agradável. A diagramação é simples e linda, o que deixa o livro com uma
carinha de algo que precisa ser cuidado com o maior carinho.

Em suma é uma obra é muito bom sim, mas não é tudo o que esperava e nem é o meu preferido da série, mas é uma história que vale muito a
pena ser conhecida porque como todos os livros dos Bedwyns tem seus momentos incrivelmente
apaixonantes e engraçados!
Título: Ligeiramente PecaminososSérie: Os Bedwyns Páginas: 272 | Autor(a): Mary Balogh  | Editora: Arqueiro | Ano: 2016

OS BEDWYNS
Ligeiramente Casados | Ligeiramente Maliciosos | Ligeiramente Escandalosos | Ligeiramente Seduzidos | Ligeiramente Pecaminosos| Ligeiramente Perigosos 

08 mar, 2018

[RESENHA] Os Bedwyns #4: Ligeiramente Seduzidos


Oiii seus lindos, demorei, mas voltei com a resenha do
quarto volume da série Os Bedwyns, Ligeiramente Seduzidos (eu sei que foi
vergonhoso o tempo, porque demorei de mais para conseguir o livro para ler,
então me perdoem! Mas às resenhas dos primeiros livros vocês podem conferir
AQUI) que irá contar a estória da jovem Morgan, a mais nova dos Bedwyns, então
chega de enrolação e vamos ao que interessa né?
 




Quando Gervase Ashford, conde de Rosthorn vê Morgan pela
primeira vez em um baile da alta sociedade inglesa em Bruxelas, ele só enxerga
uma jovem estonteante e nascida em berço de ouro, o que normalmente não
atrairia sua atenção por muito tempo (ele prefere as mais experientes), no
entanto Morgan se torna o instrumento de vingança perfeita contra Wulfric
Bedwyn, irmão mais velho da garota, a quem Gervase culpa pelos nove anos
passados longe da Inglaterra.

No entanto Morgan não é o tipo de jovem que Gervase imaginada,
ainda que seja nova e inocente, a garota é voluntariosa e independente e quando
percebe as intenções de Gervase, ela se prepara para virar o jogo e mostrar ao
conde de Rosthorn que não será manipulada por ninguém.

Não sei nem como começar a falar deste livro, serio gente é
puro amor! É de uma riqueza de detalhes incrível e completamente envolvente em
cada detalhe. Aqui somos apresentados primeiro ao “pré-guerra” em Bruxelas, em
um cenário onde Napoleão retornou para a França e põe seus exércitos em marcha
para atacar os ingleses e seus aliados, acontece que a fronteira onde os exércitos
irão se encontrar para a batalha é ao sul de Bruxelas.

É neste cenário que vemos Morgan evoluir primeiro, de uma
menina doce e inocente para uma mulher que não tem medo de enfrentar as consequências
de seus atos e que age de acordo com o que sente, e também é onde descobrimos
quem verdadeiramente é Gervase. Quando eles retornam a Inglaterra a história toma
um rumo previsível, mas completamente envolvente, simplesmente porque começamos
a entender os motivos que levaram Gervase a decidir usar Morgan.

Como sempre a autora soube criar personagens envolventes e
completamente apaixonantes! A cada livro que eu leio desta série eu me sinto
mais apaixonada, a cada estória eu fico envolvida pelo casal sem saber qual
irmã (o) eu amo mais, mas sou obriga a admitir que Morgan me cativou
completamente! A personagem foi construída de uma maneira a fazer com que o
leitor se envolva totalmente em seu drama e em seu crescimento, que faça com
que nos apaixonemos, revoltemos e choremos com ela.

Gervase no inicio não era um dos meus preferidos, ele
realmente me transmitiu a imagem do libertino clássico que não é nada mais do isto,
mas com o decorrer das paginas ele conseguiu me fazer ficar apaixonada por ele,
me fez compreender seu drama (embora eu não o tenha perdoado por algumas
coisas) e conquistou meu coração total e completamente!



O relacionamento entre Gervase e Morgan é uma maravilha a parte, um caminho de auto conhecimento dos dois lados e que proporciona inúmeros diálogos geniais! Tem desde os mais românticos aos ácidos e sarcásticos, o que me fez amar cada segundo em que eles estavam juntos (mesmo quando eu queria matar um deles) e a maneira como a Morgan desvenda um grande mistério do passado (que foi inovador mesmo para a época, mas que eu já imaginava desde uma determinada parte da obra) foi interessante e bem invasiva eu diria rs.

Quanto à edição, achei a capa simplesmente MARAVILHOSA! Uma
das mais bonitas da série e eu passei muito tempo encarando ela só por achá-la
linda (sim eu fiz muito isto no decorrer da leitura) e completamente adequada para
a descrição da personagem. As folhas são amareladas, o que ajuda muito na
leitura (meu astigmatismo agradece) e não achei erros de revisão o que
realmente foi maravilhoso!

Aconteceu algo no final do livro que me deixou total e
completamente desesperada para ler o próximo volume, o que quer dizer que em
breve trago para vocês a resenha de Ligeiramente Pecaminosos 😉

Título: Ligeiramente Seduzidos Série: Os Bedwyns Páginas: 288 | Autor(a): Mary Balogh   Editora: Arqueiro | Ano: 2016

Os Bedwyns
Ligeiramente Casados | Ligeiramente Maliciosos | Ligeiramente Escandalosos | Ligeiramente Seduzidos | Ligeiramente Pecaminosos | Ligeiramente Perigosos 

25 abr, 2016

[RESENHA] Os Bedwyns #3: Ligeiramente Escandalosos



Oiii gente. Hoje nos vamos
falar do terceiro volume da série dos Bedwyns. Eu não sei vocês, mas eu estava
realmente ansiosa para ler este porque é a história da Freyja, e como suas
aparições nas outras histórias foram bem marcantes (para uma mulher daquela
época ela realmente sabia se impor), nada melhor do que descobrir a fundo qual a
sua verdadeira história. Vocês sabem que minha maior ansiedade era pra saber a
história do Bewcastle (falei sobre isto aqui), mas não me desapontei ao saber
que o terceiro volume seria sobre a Freyja, porque ela realmente é uma
personagem que já me encantou em suas outras aparições. Então sem mais delongas, vamos a história da mulher a frente de seu tempo 😀


Freyja Bedwyn é uma mulher completamente
diferente das demais damas da sociedade a qual frequenta, e por quê? Ela preza
a liberdade e a independência acima de qualquer coisa, até mesmo do amor.
Impetuosa e decidida, Lady Freyja não se submete as convencionalidades que
regem a sociedade em que ela se encontra.

As coisas permanecem do jeito
que Freyja está acostumada, sempre fazer o que quer  e como quer, porém as coisas mudam quando ela
se encontra em uma estalagem que enlouqueceria Bewcastle se ele descobrisse que
ela se instalara lá.

É quando Freyja conhece o
Joshua Moore, o Marquês de Hallmare, um homem muito charmoso e misterioso, dono
de uma beleza sem igual e uma reputação péssima, tudo se modifica. Quando
se encontram a caminho da cidade de Bath, onde Freyja decide passar uns dias
com uma amiga para fugir de seu passado, e Joshua vai visitar sua vó, tudo
começa a mudar. A química entre eles é imediata e em meio a encontros e
desencontros, Joshua faz uma proposta inusitada para Freyja: que ela finja ser
sua noiva.

Para uma dupla que acha graça
das convenções sociais, esta é só mais uma oportunidade de se divertir.
Acontece que a brincadeira acaba trazendo consequências inesperadas e aquilo que
era somente uma brincadeira acaba se tornando uma complicação. Aos poucos eles
vão descobrindo as pessoas por trás das mascaras, e a diferença do que eles
aparentam ser para o que realmente são se torna surpreendente.

Eu fiz muitas marcações neste
livro, muitas partes me encantaram e surpreenderam. Eu não sei vocês, mas enquanto
lia Ligeiramente Casados e Ligeiramente Maliciosos, eu sempre pensei que Freyja
tinha mais em sua história do que o que era revelado no decorrer da história de
seus irmãos. Ela sempre foi aquela personagem que é só mais um componente da
história, mas que tem tudo para ser o personagem principal, e é isto que me faz
querer ler desesperadamente o livro dela.

Tudo a respeito da história dos
Bedwyns  é simples e ao mesmo tempo
complexo. A autora tem um padrão de escrita e de história. São irmãos que já
passaram da idade social adequada para se casar (no caso dos mais velhos) e que
se recusam a se envolver com qualquer uma, para eles tem-se que amar e quando
eles amam eles são completamente devotos aos objetos de seu amor, desta forma a
história deles acaba decorrendo em um mesmo padrão, mas o que mais me
surpreende é que embora nos possamos notar a semelhança em como as histórias
decorrem, elas são completamente diferentes.

O livro de Freyja é o mais
divertido até agora, ela é espirituosa e vive a frente de seu tempo, em um
mundo em que mulher era sinônimo de submissão, ela nos mostra que não aceita
menos do que ter os mesmos direitos que seus irmãos (a maioria das personagens
femininas que se envolvem com os Bedwyns é forte, porém nenhuma como Freyja) e
aquilo que a torna diferente das outras damas da sociedade é o que a torna
encantadora.

A maneira como os personagens
são escritos é maravilhosa, simples e clara. Joshua não é um exemplo de príncipe,
como aquela delicadeza e romantismos que grande parte dos romances de época trazem. Ele é espirituoso e vive de acordo com as próprias regras. Os momentos mais
engraçados são as conversas em que ele está envolvido. Ele e Freyja são muito irônicos
e sarcásticos, o que torna a maior parte dos encontros deles divertidos.

A história de Freyja é incrível,
talvez um pouco previsível pelo que foi apresentado nos livros anteriores, mas
ainda assim é maravilhosa. Eu estou simplesmente fascinada e desesperada para
ler Ligeiramente Seduzidos, que vai contar a história de Morgan a mais nova dos
Bedwyns e que assim como a irmã não gosta de seguir os padrões sociais. 















Título: Ligeiramente Escandalosos | Série: Os Bedwyns | Páginas: 287 | 
Autor(a): Mary BaloghTradutor(a): Slightly scandalous | Editora: Arqueiro


17 nov, 2015

[RESENHA] Os Bedwyns #2: Ligeiramente Maliciosos



Oi pessoal, hoje eu estou aqui
para contar para vocês o que eu achei sobre Ligeiramente Maliciosos, o segundo
livro da Serie Os Bedwyns. 
Demorei um pouco para ler o
livro, porque depois de
Ligeiramente Casados eu queria desesperadamente ler o
livro do
Duque de Bewcastle (por uma questão de honra sabem? Queria saber por
que ele é tão exigente com tudo), mas o livro é sobre Lorde Rannulf e eu
relutei em ler por ser estranha mesmo rs. Mas vamos ao que interessa não é
mesmo?


Judith Law vê sua vida mudar completamente quando tem de ir morar com os tios porque o pai encontra-se em uma situação financeira difícil. Seu destino agora é ser a parente pobre que foi acolhida e que é um pouco mais do que uma criada, é quando esta divagando sobre um futuro repleto de fantasias românticas que jamais aconteceram que a diligencia em que Judith se encontra tomba, e quão surpresa ela se vê ao ter a sua frente a possibilidade de realizar a  um sonho que lhe fora roubado? 

Um cavalheiro passa pela estrada algum tempo depois de a diligencia ter tombado e oferece uma “carona” para Judith em seu cavalo, para que eles possam chegar na próxima cidade e pedir ajuda para os demais membros da diligencia, em uma decisão inesperada até para ela mesma, Judith aceita o convite do  Sr. Bedard, mas para proteger a si mesma ela alega ser Clarie Campbell, uma atriz a caminho de um teatro, e envoltos em um momento de paixão eles se entregam a uma incrível noite de amor.

O que nem Clarie e nem o Sr.
Bedard esperavam, é que fossem se encontrar em seus respectivos destinos e com
suas verdadeiras identidades relevadas, pois Judith descobre que na verdade o
Sr. Bedard é Lorde Rannulf Bedwyn, que está na casa da avó para conhecer uma
pretendente a noiva , a prima de Judith, Julianne. E Rannulf descobre que
Claire Campbell a atriz jamais existiu, e que 
é a Judith prima de Julianne.


Em uma temporada de eventos e
com muitos parentes esperando que Lorde Rannulf faça a corte a Julianne, Judith
se vê obrigada a conviver com a presença daquele que ela imaginava ser o herói
de seus sonhos, e que nunca mais fosse vê-lo novamente. O que estes encontros
os reservam? Quão dura as conseqüências da noite de amor que eles
compartilharam podem ser?

Admito que tive muita
dificuldade em começar o livro, pois realmente não queria ler o livro do
Rannulf agora, e quando finalmente me obriguei a começar a ler, vi com uma
enorme preguiça de seguir com a leitura, pois a principio para mim o Rannulf
era um playboy antigo (Aninha não existiam playboys naquela época, vocês
entenderam a referencia né? Basta)
, que queria fugir das exigências
da avó para que se casasse. 



No inicio do livro ele realmente é um chatinho,
que quer que as coisas ocorram sempre do jeito dele, mas na verdade é só uma fachada
que encobre os princípios de honra que o regem (assim como a todos os Bedwyns),
e aí ele vai se mostrando ser um homem incrível, que realmente passou muito
tempo fazendo besteiras, mas que sabe o que é ser um homem e o que ele precisa
fazer para que todos vejam o homem que ele realmente é.

Judith é uma garota forte, que
não quer e não aceita ser subjugada, exceto pela tia, pois ela entende que tem
de obedecer a tudo que a tia exige uma vez que está na casa dela de favor, são
nestes momentos que nos vemos certa morte da personagem, quando a tia e a prima
mandam e ela obedece de cabeça baixa, ela tem uma noção de respeito e de
agradecimento muito grande, então na cabeça dela tudo quanto for possível ser
feito para que ela recompense a generosa hospedagem da tia, será feito. 



É
quando ela se encontra com Rannulf que sua determinação e personalidade
aparecem, pois abaixar a cabeça para alguém que a esta sustentando (como é o
caso da tia) é aceitável, mas um homem que mentiu para ela e com o qual ela
teve uma relação, isto não é aceitável. E toda a grandiosidade da personagem
aparece nestes momentos, onde ela é ela mesma, em que ela se permite ser, pois
não deve obrigações.

Temos também os personagens secundários
que são muito bem escritos e chamam bastante atenção também: Julianne Effingham
que é a própria descrição do ser insuportável, que só vê a si e suas aflições,
que só se importa com um lugar na alta sociedade londrina e que deseja um
casamento afortunado que lhe proporcione visibilidade na sociedade; Tia Effingham,
uma senhora que é um retrato piorado da filha, que passa por cima de quem quer
que seja para realizar as vontades e caprichos da filha. 



Horace Effingham
enteado da Sra. Effingham, e é um rapaz de aparências que finge ser um perfeito
cavalheiro e um ótimo amigo, quando na verdade só é regido por seus próprios
interesses sórdidos
(Para mim ele é um porco cretino que merecia uma morte
lenta e dolorosa)
; Temos as avós tanto de Judith quanto de Rannulf que são duas
senhoras SENSACIONAIS  que fazem com que
você queria uma vózinha assim, com todas as maluquices e exigências e que você
irá amar incondicionalmente.

A história depois de umas 20
paginas prende muito e te faz ler desesperadamente, todos os personagens são
bem escritos e te causam um suspense daquele tipo “preciso correr e ler para
saber o que ele vai fazer”, tive um problema muito grande de tremedeira e
coração disparados em determinados pontos da história (e são muitos!), por que
quando você pensa “ok é agora que as coisas se acertam e vem o felizes para
sempre”, mas vem uma reviravolta e você começa a tremer
de novo (eu parecia que estava com Parkinson).



De uma forma surpreendente e encantadora terminei o livro completamente apaixonada por Rannulf e Judith e todos os que
os cercam, com muita vontade de ler logo o livro da Freyja, que é a próxima
Bedwyn da lista. Tenho muita esperança de que o livro seja igualmente
apaixonante pois, pelas aparições que Freyja fez nos primeiros livros da
serie a história dela será, no mínimo, empolgante.
Título: Ligeiramente Maliciosos | Série: Os BedwynsPáginas: 288 | Autor(a): Mary Balogh Tradutor(a): Ana Rodrigues | Editora: Arqueiro